Melancolia natalina: isso existe?

0
470
Foto: Reprodução

É bem comum ouvir que o Natal é mágico. Que a magia do Natal já pode ser vista pela cidade e nos lares onde as árvores de Natal foram montadas, as luzes estão piscando, o Papai Noel já está posando para fotos com crianças e as canções natalinas estão embalando a preparação para a ceia farta de Natal.

Imaginar esse cenário é algo lindo. No entanto, esse encantamento não é realidade para todo mundo. O Natal tem seus adeptos e seus desafetos. Não são poucos os que se deprimem a cada Natal. A auxiliar administrativa Suely Ferreira, por exemplo, acha a época bastante triste e vive a melancolia nesse período.

“Há bastante tempo fico triste nessa época, e o pior é que todo mundo vive cercado pela data. O Natal está em tudo, nas redes sociais, no rádio, na televisão, nas conversas e pelas ruas decoradas e iluminadas sempre”, comenta ela, ao ressaltar que prefere as comemorações do mês de junho, que são mais alegres.

“O Natal é muito previsível. Eu até gosto da decoração, mas a música é sempre a mesma, todo ano a mesma coisa. Isso me dá uma angústia, uma tristeza enorme. Lá em casa nem Ceia de Natal fazemos, todo mundo dorme cedo”, relata.

O psicólogo Danilo Camuri explica que o final do ano, para muitas pessoas, às vezes é bem diferente. Pessoas que ficaram viúvas, para quem está com problemas de saúde na família ou com dificuldades financeiras, projetos que não foram concluídos ou que não deram certo trazem uma reflexão e, em muitos casos, tristeza (dependendo da situação).

“Não é o Natal que produz isso. Mas, sim, a forma como as pessoas estão entendendo e pensando esse momento. Temos pessoas que estão extremamente felizes nessa época, ou seja, para algumas pessoas é tempo de celebração e para outros, não”, disse o psicólogo, ao acrescentar que a tristeza não é um problema. É normal de todo ser humano ter emoções como raiva, medo, tristeza, alegria. Contudo, em demasia, as emoções podem trazer dificuldades no cotidiano.

“A pessoa que tem excessos de raiva, por exemplo, pode prejudicar-se e prejudicar outros. Da mesma forma, a tristeza quando acontece em demasia pode trazer algumas questões para o sujeito, como a melancolia e a depressão, que são formas como a tristeza se apresenta e que pode levar a um processo de adoecimento das pessoas”, destaca o psicólogo.

Melancolia é um processo de intenso sofrimento

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

A melancolia natalina é um processo de intenso sofrimento para o sujeito com a chegada do final do ano e suas festividades. Esses são momentos tradicionais da cultura para reunião das famílias, para o encontro com amigos, confraternizações.

O processo de confraternizações, a entrada das férias para algumas pessoas, pode se tornar um momento com extremas emoções de tristeza. “Como as festividades envolvem muitos aspectos das famílias, para algumas pessoas podem ser causadoras de uma certa ansiedade e tristeza. O processo de luto, como o primeiro Natal que alguém vai passar sem um ente da sua família, isso carregado de marcas culturais, pode ocasionar tristeza. Então, é preciso ter sensibilidade para entender essas pessoas”, comenta o psicólogo Danilo Camuri.

Outra situação, são pessoas que moram longe de suas cidades e não conseguem retornar para passar o Natal com suas famílias por conta do trabalho. Elas também podem entrar em processo de tristeza.

Alguns estudos apontam que na reta final do ano, mais de 20% dos atestados são dados nas empresas por conta de problemas relacionados a saúde mental, em especial as questões relacionadas a depressão, é o que revela o psicólogo. Segundo ele, também no final do ano, há o aumento de casos de suicídios, que é um problema de saúde pública.

“Devemos ao máximo estar atentos às pessoas que vêm soltando frases como a vida não tem mais sentido, a minha vida não deu certo, tudo que eu quis fazer na minha vida eu não consegui. Esses tipos de expressões devem ser avaliadas. Porque quando a gente fala de sofrimento, muitas vezes elas passam despercebidas para muitas pessoas por não terem conhecimento do que sejam sintomas de um adoecimento psicológico, mesmo que não seja a efetivação do processo de adoecimento”, alerta Danilo.

Conheça os sintomas da melancolia

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Desesperança muito forte, dificuldade para se alimentar, perda de peso, inapetência, esses são alguns dos sintomas apresentados por quem está com melancolia natalina. Especialistas apontam que a maior parte das pessoas que passam por melancolia no final do ano relata profunda dificuldade ao acordar, pois eles têm a ideia que vai “começar tudo de novo”.

“Um sintoma muito comum é a culpabilização excessiva. As pessoas ficam se culpando excessivamente por tudo. Por exemplo, uma pessoa que perdeu a esposa, se culpa pela ideia da perda, porque não conseguiu observar um processo de adoecimento, mesmo que não tenha nenhum tipo de relação com a causa da morte dessa pessoa. Uma mãe que se culpa excessivamente pelo filho ter cometido suicídio, dentre outros casos”, diz o psicólogo.

Quem apresenta estes sinais deve estar atento à evolução dos sintomas. O momento de buscar ajuda é quando a pessoa começa a ter dificuldades de realizar as mesmas atividades do se dia a dia, como ir ao trabalho, escola, faculdade. “Se você não consegue tocar a vida como você conseguia antes, deve procurar ajuda profissional. E se surgir sentimentos de que a vida não vale mais a pena, é preciso levar urgentemente a um especialista, como psiquiatra ou psicólogo para que seja feita uma avaliação com maior profundidade e assertividade”, acrescenta Danilo Camuri.

Sem comentários

LEAVE A REPLY